COMIBAM realiza 2ª Consulta Alcance Uma Etnia 

Missionários, pesquisadores, pastores e líderes de organizações missionárias reuniram-se de 7 a 9 de março de 2023, na cidade do Panamá, para a segunda Consulta Alcance Uma Etnia. O evento foi realizado pela Cooperação Missionária Iberoamericana-COMIBAM e contou com 151 participantes de 40 organizações de 21 Cooperações Missionárias Nacionais (CMN) de países da região da Ibero América e de comunidades hispânicas dos Estados Unidos e Canadá. O evento se propôs a gerar reflexão, atualizar as listas de etnias não alcançadas atribuídas aos países, discutir possibilidades e reafirmar diante do Senhor e da Igreja o compromisso e o chamado para pregar o evangelho onde Cristo ainda não foi anunciado.  

Três etapas foram previstas para a consulta. A primeira ocorreu nos meses que a antecederam e consistiu em reuniões das Cooperações Missionárias Nacionais (CMN) para discutir detalhes das listas com as quais se comprometeriam e designar os delegados de seus países. A segunda etapa foi a consulta em si e a terceira é a pós-consulta, quando se espera que as CMNs e as organizações participantes desenvolvam estratégias e caminhos para compartilhar as informações com o movimento missionário de seu país e mobilizar a igreja local para que se integre ao esforço de chegar àquelas etnias.  

Integração de esforços 

Houve consenso entre os participantes de que o trabalho a ser feito deve contemplar a diversidade de papéis, ministérios, lugares de atuação, dons, idades etc. Foi proposto um novo olhar sobre a igreja local, que deve assumir um papel mais ativo em recrutar obreiros, apoiar sua formação e garantir o acompanhamento pastoral, sempre em parceria com agências e organizações missionárias. Também foi destacada a necessidade de uma atuação estreita com a igreja local ou nacional no meio do povo com o qual se trabalha. 

A programação da consulta refletiu essa proposta. Dentre outros temas, estava a oração e a busca pessoal ao Senhor como fundamento para a obra, a base bíblica sobre os que ainda não ouviram o evangelho, a necessidade de tradução da Bíblia, o investimento nos jovens para garantir a continuidade geracional e a importância de abordagens criativas para pregar o evangelho aos não alcançados. Foi enfatizada a oportunidade estratégica da diáspora, que tem trazido gente de muitas etnias não alcançadas aos países ibero-americanos.    

O desafio 

A estrutura básica do desafio missionário apresentado é constituída pelo animismo e pelos grandes blocos religiosos não cristãos: budismo, hinduísmo e islamismo. Informações objetivas sobre esses blocos foram apresentadas em plenária ou em oficinas, enquanto dificuldades, oportunidades e outros aspectos mais voltados a relacionamentos foram relatadas por obreiros que atuam em tais contextos. Esses obreiros atuam em campos sensíveis, onde há severa perseguição aos cristãos, como o Sudeste Asiático e países majoritariamente muçulmanos. Os povos tribais foram considerados a partir do contexto indígena do Brasil, que é similar ao de outros países da América do Sul.  

As informações contemplaram a realidade missionária atual numa perspectiva prática, que trouxe clareza e encorajamento ao que precisa ser feito. Também o passado foi considerado com o propósito de despertar gratidão e celebrar a Deus pelo muito já realizado ao longo das últimas décadas. Estão aí incluídos os avanços em capacitação, envio e cuidado integral do missionário, desenvolvimento de uma literatura missionária ibero-americana, pesquisas para balizar o planejamento das organizações e o aumento no número de missionários latinos trabalhando entre povos não alcançados, dentre outros aspectos. 

Compromisso 

A primeira consulta sobre etnias realizada pela Comibam foi em 1992, na cidade de São José, na Costa Rica. Dela participou Ralph Winter, o missiólogo americano que se tornou conhecido por defender o evangelismo pioneiro entre povos não alcançados. Participaram também outros líderes mundiais e da América Latina para discutir conceitos étnicos e outras questões necessárias para saber se era possível os latinos se envolverem com o desafio de chegar até o último da terra. Um compromisso foi assumido para se chegar aos 3 mil povos atribuídos à Ibero América como parte do esforço missionário mundial, que, por sua vez, tinha 11 mil povos não alcançados como referência naquele momento.  

Nessa segunda edição da consulta, realizada após um intervalo de 31 anos, as metas foram atualizadas e cada país assumiu a responsabilidade por outro conjunto de povoss. As listas definidas pelas 21 CMN totalizaram 1.850 etnias, no contexto de cerca de 7.400 etnias atualmente consideradas. Por meio de uma declaração assinada no encerramento da consulta, as CMNs e organizações presentes se comprometeram, dentre outros pontos, a orar, divulgar informações que gerem motivação, oferecer capacitação e levar o evangelho aos povos originários da região em trabalho que inclui tradução da Bíblia, distribuição, uso e impacto das Sagradas Escrituras, em estreita amizade e colaboração com a igreja de contexto indígenas.

COMIBAM em MOVIMENTO