Aumentando a Capacidade da Sua Igreja para um Cuidado Significativo aos Membros

Por Ivan Liew

As igrejas locais geralmente não sabem ao certo como cuidar de seus missionários naquilo que vai além do apoio financeiro e de oração. Os pastores querem que suas igrejas se envolvam, mas se perguntam se elas fazem uma diferença significativa. Uma pesquisa realizada em Cingapura mostra que certas funções de cuidado com os membros são mais bem desempenhadas pela família da igreja do que por organizações especializadas. Além disso, a totalidade do cuidado com os membros é mais bem fornecida em uma parceria igreja-agência. Essas descobertas ajudam os pastores a conduzir suas igrejas em direção a um cuidado significativo com os membros.

O diretor de uma agência missionária que eu acabara de conhecer apertou minha mão com entusiasmo e disse: “Obrigado pela parceria e pelo cuidado da sua igreja com o missionário que você envia por nosso intermédio!” Eu era pastor de missões há apenas duas semanas e não sabia exatamente pelo que aquele diretor estava me agradecendo. Eu tinha apenas uma vaga ideia do que uma igreja deveria fazer para cuidar de seus missionários.

À medida que fui conhecendo mais pessoas em missões, percebi que minha igreja local, a Woodlands Evangelical Free Church em Cingapura1, tinha a reputação de oferecer um ótimo cuidado aos nossos missionários em parceria com agências missionárias. Comecei a aprender porque isso acontecia e desenvolvi isso em minha igreja nos 15 anos seguintes. Isso resultou em uma pesquisa de doutorado que abrangeu várias igrejas, agências e o livro, Churches and Missions Agencies Together (Igrejas e Agências Missionárias Juntas).

Aprendendo com a Dor e o Fracasso

Minha igreja nem sempre foi excelente no cuidado com os membros. Um fracasso doloroso ocorrido uma década antes de eu assumir a liderança em missões reverberou na memória organizacional. Os líderes recontaram a história com uma postura de autorreflexão e admissão humilde de que a igreja poderia ter feito melhor. Para aprender com nosso fracasso e levar a igreja adiante, os líderes tinham de demonstrar uma mentalidade que se preocupasse mais com os futuros missionários do que em salvar a reputação. Observei esse modelo, escutei as correntes subjacentes às histórias e construí sobre os alicerces que haviam sido lançados antes de mim.

Desenvolver a capacidade de uma igreja de oferecer cuidados aos membros para futuros e atuais missionários envolve o mapeamento da cultura e da política organizacional. Primeiro, um líder faz um balanço do que foi feito antes e, em seguida, avalia quais pontos fortes devem ser aproveitados e o que precisa ser mudado. Como pastores, pregamos e modelamos esses valores, propomos mudanças aos conselhos e comitês e formamos equipes ministeriais para executar esses planos.

A Cultura de Envio Missionário de Sua Igreja

Cingapura é uma mistura única de valores asiáticos e ocidentais. Somos altamente estruturados e seguimos regras que colocam a família e a comunidade acima das liberdades individuais. No entanto, nossa educação, negócios e mídia estão mais envolvidos com o Ocidente. Como membros conscientes, todos devemos estar atentos à sociedade e à cultura organizacional ao liderarmos nossas igrejas.

Algumas igrejas têm pouca experiência em missões, mas um grande coração para apoiar os membros. Outras não estão cientes das necessidades missionárias além de um orçamento anual para missões porque não conhecem os problemas e não podem se relacionar pessoalmente com eles. Todo líder deve conhecer os pontos fortes e os recursos de sua igreja e decidir quais áreas de cuidado aos membros devem ser tratadas primeiro.

Como pastor de missões novato, logo percebi que a diretoria da igreja valorizava profundamente nossos missionários e, por isso, trabalhamos com base nessa força. Minhas propostas de cuidado aos membros quase sempre eram aprovadas se fossem apoiadas por um raciocínio sólido e um bom planejamento. Ao longo dos anos, fornecemos recursos para aposentadoria, planos de estudo, licenças sabáticas com a família e livros Kindle ilimitados. Pequenas coisas foram se somando e a cultura do cuidado com os membros se solidificou em nossa igreja.

Envolvimento da Igreja é Cuidado da Igreja

Costumo incentivar os pastores de missões a pregar em seus próprios domingos missionários em vez na maioria das vezes de convidar palestrantes. Um pastor de missões pode usar essa oportunidade para falar à igreja sobre seus missionários e os planos da igreja para trabalhar com os missionários. Pregar do púlpito e oferecer liderança organizacional são sinergias poderosas para conduzir nossas igrejas em direção ao futuro desejado por Deus.

Como pastor de missões, eu pregava, lançava visão e escrevia propostas para projetos e políticas. Eu me colocava no lugar dos meus missionários e fazia a ponte entre seus ministérios e necessidades para a congregação e a diretoria. Como resultado, a igreja nunca relutou em cuidar mais de nossos missionários.

Relacionava as Escrituras à forma como cuidamos dos missionários e como nos envolvemos no campo missionário. A igreja amou se sentir mais engajada, saber mais sobre o que nossa igreja fazia no campo e se envolver diretamente com os missionários em viagens missionárias. Quando não podíamos viajar fisicamente, tentávamos fazer viagens missionárias digitais com os missionários no campo. Quando uma igreja está envolvida no trabalho de seus missionários, eles se sentem conectados e cuidados.

Apoiando por meio de Cultura e Políticas

Em nosso desejo de efetuar uma mudança de comportamento, muitas igrejas de Cingapura se inclinam primeiro para a implementação de uma política ou norma. No entanto, mesmo as melhores estratégias ou políticas de atendimento aos membros não resultarão em mudanças profundas e duradouras se não abordarem a cultura e os valores organizacionais. Isso requer o trabalho lento e contínuo de definição de visão, ensino bíblico, modelo e comunicação constante.

Em seguida, podemos implementar políticas e estratégias para o envio de missionários e o cuidado com os membros que reflitam os valores e a cultura que estamos construindo. Fazer isso resulta em uma congregação que aprecia e internaliza esses valores, em vez de um grupo que apenas cumpre as tarefas de cuidado com os membros.

Os sistemas que construímos, inclusive as políticas relacionadas aos membros, tornam-se o fundamento sobre o qual outras pessoas são capacitadas a se envolver no cuidado com os membros. Algumas iniciativas de cuidado com os membros em minha igreja são espontâneas devido à nossa cultura e às políticas de permissão. Os membros da igreja visitam os pais idosos dos missionários, enviam felicitações e presentes de aniversário, perguntam sobre os filhos e patrocinam estudos universitários. Muitas vezes, eu só ficava sabendo disso mais tarde. Eu amava o fato de não conhecer metade das ações de amor realizadas!

Outras iniciativas de cuidado com os membros são realizadas por meio de programas e políticas. Não é incomum que as igrejas de Cingapura financiem 50% do orçamento de um missionário. Minha igreja leva isso um passo adiante: o pastor de missões ajuda os missionários a arrecadar os 50% restantes de nossa congregação. O pastor de missões fala sobre suas necessidades e o trabalho que realizam nos cultos de nossa igreja. Como resultado, sempre atendemos plenamente às necessidades deles em nossa congregação2.

Cuidado Significativo pela Família da Igreja

A pesquisa que realizei teve como foco a otimização do cuidado missionário na parceria entre as igrejas locais de Cingapura e as agências missionárias. Foi perguntado aos missionários quais eram os tipos mais valiosos de cuidado aos membros que eles recebiam. Enquanto conversavam, certas áreas eram consistentemente mencionadas como mais valorizadas para a agência missionária e outras eram mais valorizadas para a igreja local3.

Essa distinção era evidente mesmo quando tanto a igreja como a agência forneciam o mesmo tipo de atendimento. Certas áreas de assistência aos membros eram mais eficazes quando prestadas pela igreja local, enquanto outras eram melhores quando prestadas pela agência missionária. Vários grupos focais de missionários, líderes de igrejas e agências resumiram essa verdade – a igreja é como a família de uma pessoa em casa, e a agência é como uma família de colegas no local de trabalho4. O cuidado com os membros é mais valorizado quando é oferecido tanto pela igreja como pela agência missionária, conforme mostrado na tabela 4.1.

Os líderes da igreja achariam útil ter essas áreas em mente ao tratar a cultura e as políticas de missões. Temos uma cultura de doação, generosidade e reconhecimento em relação aos nossos missionários? Nossa igreja está engajada em missões com nossos missionários? Oramos por nossos missionários? Que políticas financeiras, estratégias de oração e outros planos podem promover melhorias nessas áreas depois de considerarmos a cultura organizacional?

No passado, minha igreja reunia todos os boletins informativos e pontos de oração de nossos missionários em um livreto que imprimíamos mensalmente e distribuíamos à congregação. Durante a pandemia da COVID-19, os padrões de culto mudaram, então mudamos para uma plataforma Zoom mensal, onde as pessoas podiam ouvir os próprios missionários e orar por eles em pequenos grupos. Isso se mostrou mais eficaz do que os boletins informativos anteriores e as reuniões de oração presenciais. Foi uma grande fonte de incentivo para os missionários.

Tabela 4.1 – Tipos de Cuidado ao Membro Mais Valorizados pelos Missionários

IgrejaAgência Missionária
estrutura de levantamento de recursosresolução de conflitos
mobilização da igrejaevacuação em caso de crise
cuidado dos pais/famíliaentrada no campo
cuidado pastoralatendimento de saúde
oraçãofeedback sobre o ministério
retorno para casaestratégia de ministério

Certamente, há ocasiões em que uma igreja ou agência atende a uma área na coluna da outra. Isso pode ser necessário, mas não é tão eficaz. Por exemplo, quando um de nossos missionários passou por um sério conflito de equipe no campo, a agência no local passou por uma crise de liderança. Sem nenhuma pessoa da agência para prestar assistência, tive de intervir como pastor de missões, embora a resolução de conflitos e as questões de estratégia ministerial no campo poderiam ter sido mais bem tratadas pela agência. Anos mais tarde, quando a mesma missionária falou sobre os cuidados que mais valorizava, ela se entusiasmou com muitas coisas que a igreja oferecia, mas nunca mencionou os meses que passamos naquele conflito. Em vez disso, ela comentou que gostaria de ter tido mais apoio da agência naquela crise.

Observações Finais

As igrejas locais podem oferecer cuidados aos membros que são altamente significativos para os missionários de longo prazo no campo. Certos tipos de assistência são mais eficazes se forem originados na família da igreja, mas ainda em parceria com uma agência missionária. Ao aumentar a capacidade de uma igreja de cuidar dos membros, os líderes da igreja podem se concentrar nessas áreas altamente valiosas primeiro e fazer isso abordando a cultura e a política organizacional.

Ivan Liew ([email protected]) foi o pastor de missões da Woodlands Evangelical Free Church em Cingapura por 15 anos e agora é seu pastor executivo. Atua como diretor de missões da Evangelical Free Church of Singapore, é membro do Conselho da SIM Cingapura e autor de Churches and Missions Agencies Together: A Relational Model for Partnership Practice (Igrejas e Agências Missionárias Juntas: Um Modelo Relacional para a Prática de Parcerias)

Notas